Governo corta recursos e aulas podem suspender calendário

Geral

Notícia publicada terça-feira 28 março 2017

Governo corta recursos e aulas podem suspender calendário

Gostou, compartilhe

As universidades estaduais do Paraná podem suspender o calendário acadêmico já nos próximos dias. Surpreendidas pela confirmação do governo do Estado de cortar recursos das instituições para a contratação de professores colaboradores, as instituições agora avaliam a suspensão do calendário, uma vez que ficam sem condições de oferecer aulas, que já estão comprometidas extatamente pela falta de professores colaboradores.

Reunião

O Conselho Universitário da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) programou reunião para a próxima sexta-feira (31), quando deve discutir a suspensão do calendário acadêmico deste ano. Na Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) e na Universidade Estadual de Maringá (UEM), a possibilidade vem sendo discutida.

A UEPG pediu ao governo contratação de 6.800 horas de professores colaboradores, mas o Estado respondeu que seria possível contratar apenas 688 horas, ou seja, 10% do necessário. Assim, a instituição poderia contar com apenas 17 professores colaboradores, sendo que atualmente já tem mais de 130 com contrato vigente.

Já a Unicentro expôs ao governo a necessidade de contratação de 10.770 horas e o governo autorizou apenas 5.946, um corte de 55%. Na UEM o corte foi de 60,30%, 9.551 horas das 15.840 horas solicitadas.

Atividades

O reitor da UEPG, Luciano Vargas, disse que posição do governo do Estado representa “mais um arrocho” contra as atividades realizadas no ensino público. “É algo inviável de ser seguido”, criticou ele.

A Reitoria da Unicentro, em nota, afirma lamentar que “algumas pessoas do governo tenham, nos últimos anos, abertamente declarado que as universidades são um peso muito grande ao orçamento do Estado, sem que jamais tenham se perguntado sobre a contribuição histórica dessas instituições para a geração das riquezas que aportam recursos ao tesouro estadual”.

Reuniões

No dia 21, os reitores reuniram-se com o governador Beto Richa (PSDB) apresentando as necessidades das universidades, e foram informados que a CSP se reuniria no dia 23. Porém, no dia 23 reitores e sindicatos receberam a informação de que a reunião fora transferida para o dia 27.

O chefe da Casa Civil e presidente da Comissão de Política Salarial (CSP) do governo do Paraná, Valdir Rossoni, encaminhou na sexta-feira (24) ofícios às universidade estaduais informando que a CSP decidiu, no dia 22, liberar parcialmente as horas solicitadas pelas universidades para contratação de professores temporários e a manutenção dos cursos de graduação.

Ofícios

Causa estranheza, segundo os reitores das universidade estaduais, que os ofícios remetidos às instituições façam referência a uma reunião da CPS ocorrida na quarta-feira (22), reunião essa que não era do conhecimento de nenhum dos reitores, nem do secretário responsável pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), João Carlos Gomes.