Governo propõe programa para aproximar municípios

Geral

Notícia publicada sábado 13 maio 2017

Governo propõe programa para aproximar municípios

Gostou, compartilhe

O Governo do Estado assinou na quinta-feira (11) um protocolo de intenções com a Associação dos Municípios do Paraná (AMP,) que marca a criação do Programa Paraná Internacional. As secretarias para Assuntos Estratégicos e do Planejamento e Coordenação Geral também são signatárias do protocolo. O programa visa contribuir para o desenvolvimento internacional dos 399 municípios paranaenses.

Idealizado pela Secretaria para Assuntos Estratégicos, o programa vai incentivar as prefeituras municipais do Estado para que indiquem um ponto focal de parcerias com outros países. “Hoje o Paraná já conta com pontos focais para parcerias internacionais em todas as secretarias, empresas e universidades estaduais. Uma pessoa fica responsável pela relação com os outros países. E agora vamos estender esse trabalho para os 399 municípios do Estado, para que cada uma das cidades tenha um responsável pela articulação, para dinamizar as questões de negócios, indústria e comércio”, disse o secretário para Assuntos Estratégicos, Flávio Arns. “Queremos dar todo o apoio para que cada município pense em como sua região pode se inserir no contexto internacional. Isso acaba gerando um benefício enorme, em todas as áreas”, completou.
Programa
Para elaborar o programa, a Secretaria levou em conta o conhecimento adquirido na recepção de visitas estrangeiras e de delações internacionais. Desde 2015, 52 delegações de diferentes países visitaram o Paraná,
Para o secretário de Planejamento e Coordenação Geral, Cyllêneo Pessoa Pereira Junior, é importante centralizar esse tipo de cooperação internacional para que o Estado possa dar o suporte necessário nas parcerias dos pequenos municípios com outros países. “Fizemos essa reunião na tentativa de sincronizar as ações internacionais que o Estado desenvolve para que possamos levar isso aos municípios. Alguns deles têm cidades-irmãs em outros países, além de termos firmados e ações isoladas, que não são catalogadas pelo Governo. A tentativa é trazer todas essas informações para um mesmo sistema e registrar esses programas”, disse.


Fotos: José Fernando Ogura/SEAE