Morre Jacinto Mayer que fez mais de 40 entalhes a mão e doou às igrejas

Geral

Notícia publicada quarta-feira 19 julho 2017

Morre Jacinto Mayer que fez mais de 40 entalhes a mão e doou às igrejas

Gostou, compartilhe

Em cada igreja, pelo menos uma obra feita pelas mãos do marceneiro Jacinto Mayer de Palmeira. O marceneiro tinha 63 anos e faleceu na terça-feira (18) em um hospital de Ponta Grossa. Jacinto deixa a esposa Mercedes Santos Mayer e os filhos Saulo, casado com Francy Hellen dos Santos Silva e Wania de Fátima, casada com Marlon Rodrigo Santos, além de 3 netos. O corpo foi velado na Capela Ecumênica Nossa Senhora de Fátima e o sepultamento aconteceu às 14 horas da quarta-feira (19) no Cemitério Municipal de Palmeira.

Uma das tradições que seu Jacinto fazia questão era de celebrar o dia de São José, no dia 19 de março em sua marcenaria com uma missa, esse ano foi o 18º ano.

Sua vida

Jacinto Mayer foi tema de entrevista da RPC onde contou a sua história e vamos relembrar um pouco dela.

O artista dizia se inspirar no bisavô, Benjamin Mayer, que tinha uma fábrica de carroças no município e também era entalhador. Ele disse que, mesmo com anos de técnica e após as dezenas de altares, ainda tem muito a aprender.

“Nunca devemos dizer que sabemos tudo. Nós não sabemos. Nós sempre temos coisas para aprender.

Mayer trabalha fazendo móveis planejados e a marcenaria tradicional – a família tem o negócio há mais de 30 anos. Mesmo assim, ele aproveita o tempo de sobra, nos fins da semana, para se dedicar ao entalhe de produtos para as igrejas de todo o estado. Segundo informações ao ficar doente, Jacinto trabalhava no restauro do altar da Capelinha do Bom Jesus. O altar ficou inacabado, mas conseguiu reconstruir a mesa eucarística e os ambões.

Luto oficial

O prefeito municipal Edir Havrechaki decretou luto oficial de três dias pelo falecimento do senhor Jacinto Mayer, restaurador e construtor de objetos sacros. O decreto cita como motivo para o luto oficial, os preciosos trabalhos dedicados à comunidade palmeirense no decorrer da vida de Jacinto Mayer como cidadão, o consternamento geral da comunidade palmeirense e o sentimento de solidariedade, dor e saudade que emerge pela perda de um cidadão exemplar e respeitável artista, que o marceneiro seguiu o ofício herdado do bisavô e fez mais de 40 altares entalhados à mão para doar às igrejas e que é dever do Poder Público palmeirense render justas homenagens àqueles que com o seu trabalho, seu exemplo e sua dedicação, contribuíram para o bem-estar da coletividade.