OSB – Seção Campos Gerais participa do 1° Congresso Pacto pelo Brasil

Geral

Notícia publicada terça-feira 23 maio 2017

OSB – Seção Campos Gerais participa do 1° Congresso Pacto pelo Brasil

Gostou, compartilhe

O Observatório Social do Brasil promoveu entre os dias 8 e 11 de maio, no Campus da Indústria/FIEP, em Curitiba, o 1º Congresso do Pacto pelo Brasil – Calamidades X Eficiência da Gestão Pública. A abertura do evento contou com a participação do juiz federal Sérgio Moro. Do Observatório Social de Palmeira participaram: Leonel AndermanGilberto Lordani Jr.Luciano FerreiraSergio Ricardo da Silva. O encerramento aconteceu com a apresentação de Boas Práticas dos Observatórios, entre os quais se destacaram duas ações realizadas em Ponta Grossa, o Programa Semeando a Cidadania Fiscal e a Parceria com o Conselho Regional de Administração do Paraná, para angariação de voluntários.

As práticas do Observatório Social do Brasil – Seção Campos Gerais apresentadas pela coordenadora do OSBCG, Ana Paula Santos, e a estagiária de Serviço Social, Fabíola Kachak, foram elogiadas por diversos painelistas e deverão se tornar case de sucesso para outros OS do Brasil. “O Programa foi um trabalho de raio-x realizado nos CRAS e com as pessoas atendidas nesses espaços. Foram levantados todos os problemas dos 10 CRAS da cidade, protocolados na Prefeitura e, em um curto período de tempo, todos foram solucionados”, explica Fabíola. Em relação à parceria, Ana Paula explica que a intenção é angariar voluntários para o Observatório. “Esses profissionais nos ajudam nas análises de documentos, licitações, etc”, fala.

Os debates abordaram, por meio de painéis temáticos, temas de gestão pública e privada, as calamidades encontradas, os fatores que favorecem a corrupção nestes segmentos e o impacto na qualidade dos serviços oferecidos ao cidadão. Os participantes também tiveram a oportunidade compartilhar as boas práticas com o objetivo de inspirar o fortalecimento dos sistemas de Compliance no setor privado e mostrar que as empresas, inclusive as pequenas e as médias, também devem atuar na prevenção e no monitoramento dos riscos de corrupção dentro da própria organização.

“Só nos dois primeiros meses deste ano, a cada dia, duas prefeituras decretaram estado de calamidade financeira porque falta planejamento, eficiência na gestão, transparência e controle”, afirma Ney Ribas, presidente do Observatório Social do Brasil. “E se nós, através dos diversos mecanismos de controle disponibilizados pelo Observatório Social do Brasil, pudermos contribuir para a eficiência da gestão pública e a correta aplicação dos recursos, vamos mudar a história do Brasil, mais rápido do que imaginamos. Por isso, o momento é de união”, fala.

Ao encerrar o evento, o presidente do Observatório Social do Brasil, Ney Ribas, afirmou que o 1° Congresso Pacto pelo Brasil é um marco na história recente do país. “Nós temos que criar uma visão de Brasil de curto, médio e longo prazo. Precisamos descobrir, junto com a nova geração, onde queremos chegar. Qual é o caminho que vamos seguir. E para isso temos que usar a inovação social”, disse.

1° ação do Pacto pelo Brasil

O Seminário Digital – Transparência nas Compras Públicas é a primeira ação do 1° Congresso Pacto pelo Brasil.  Pela primeira vez na internet, o evento digital vai reunir as maiores autoridades em governança e gestão pública do país que participaram do congresso presencial realizado em Curitiba. As inscrições são gratuitas e o material estará disponível entre os dias 13 e 16 de julho, no site http://comprasgov.com.br. “A ideia é dar acesso gratuito a todos os agentes públicos e ao cidadão comum às informações necessárias para dar mais transparência nas compras públicas”, afirma Fabiano Zucco, CEO do Dot Digital Group e idealizador do seminário. Além de disponibilizar os vídeos das palestras, o site vai oferecer também duas plataformas que darão acesso a todas as licitações que acontecem no Brasil.

Observatório Social do Brasil 

O Observatório Social do Brasil é a maior rede em articulação da sociedade civil. Já são mais de 120 observatórios em atividade, em 19 estados, o que representa 15% de toda a população do país. O envolvimento de mais de três mil voluntários fez com que, em apenas quatro anos, mais de 1,5 bilhões de reais fossem economizados aos cofres municipais. E a cada ano mais de R$ 300 milhões de reais deixam de ser gastos desnecessariamente. O trabalho feito pelo observatório possibilita, em média, a recuperação de 10 a 15% dos orçamentos em compras municipais e nos últimos quatro anos houve um aumento expressivo da média de empresas que participam de licitações públicas, evitando muitas vezes acordos de preços e a divisão dos lotes.