Paraná proíbe pulverização aérea de inseticidas em áreas urbanas

Geral

Notícia publicada segunda-feira 14 novembro 2016

Paraná proíbe pulverização aérea de inseticidas em áreas urbanas

Gostou, compartilhe

A Secretaria da Saúde do Paraná proibiu a aplicação aérea em áreas urbanas de inseticidas para o controle do mosquito Aedes aegypti, que é vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya. A decisão foi formalizada através da Resolução nº 446/2016, publicada em Diário Oficial da quarta-feira  dia 9.

A chefe do Centro Estadual de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte, justifica que a pulverização é mais eficaz com o uso do equipamento costal, que trabalha com jato dirigido aos locais de preferência do Aedes. “Para ter o efeito esperado, a nuvem de inseticida deve ficar próxima ao solo, com no máximo seis metros de elevação, pois o mosquito voa em baixas alturas. O jato disparado por aeronaves não atende a essas recomendações”, sustenta Ivana.

De acordo com o governo do Paraná, a proibição leva em conta ainda estudos da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias) segundo os quais apenas 19% do produto aplicado por meios aéreos atinge o espaço determinado. Os mesmos estudos teriam constatado a presença de contaminação decorrente da pulverização a 32 km da área-alvo. 

Maior consumidor

“O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo desde 2008 e o Paraná é o terceiro maior consumidor nacional. Nosso esforço é para reduzir seu uso cada vez mais”, explica o diretor-geral da Secretaria da Saúde, Sezifredo Paz. O diretor diz que países da União Europeia proibiram a aplicação aérea em 2009.

“A pulverização aérea pode causar danos à saúde da população, principalmente àquelas com maior vulnerabilidade, como idosos, crianças e gestantes. A prática também pode contaminar centrais de fornecimento de água, produções agrícolas e prejudicar o meio ambiente”, finaliza Sezifredo.