Paraná tem sistema pioneiro para controle de infecção hospitalar

Geral

Notícia publicada terça-feira 11 julho 2017

Paraná tem sistema pioneiro para controle de infecção hospitalar

Gostou, compartilhe

O Governo do Estado lançou no dia 7, em Curitiba, a segunda versão do Sistema Online de Notificação de Infecções Hospitalares (Sonih). Pioneiro no país, o sistema desenvolvido pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) possibilita a obtenção de dados das infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) em tempo real. A nova versão permitirá identificar as infecções pelo perfil de resistência das bactérias aos antibióticos em cada hospital do Paraná.

Atualmente, 360 hospitais notificam mensalmente no Sonih e as informações do sistema são públicas, com boletins semestrais. Os dados colocam o Paraná como um dos estados que mais notifica o indicador nacional de IRAS da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Serviços de saúde
“Este sistema possibilita o conhecimento do perfil das infecções nos serviços de saúde, inclusive a resistência microbiana, que é uma grande preocupação mundial. Ao notificar uma infecção, pode-se adotar medidas de controle em cada estabelecimento e prevenir que novos surtos aconteçam”, destacou o diretor geral da Secretaria de Saúde, Sezifredo Paz.

O sistema oferece aos profissionais de saúde a taxa dos principais indicadores de infecção hospitalar. No último ano, entre as infecções associadas a procedimentos invasivos (tais como sondas e cateteres), a pneumonia foi a de maior incidência em UTI Geral Adulto, com 21,1 infecções para cada 1000 dias de Ventilação Mecânica. O coordenador do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, Paulo Santana, enfatiza a facilidade de envio de dados oferecida aos usuários.

Integração

O Sonih abrange os 399 municípios do Paraná e os dados gerados pelo sistema referem-se aos hospitais públicos e privados de todo o Estado.
Para a Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa), esta integração tende a gerar bons frutos.

Foto: Venilton Küchler