Preso último envolvido no homicídio que vitimou duas meninas em 2005 em Palmeira

Policial

Notícia publicada terça-feira 16 maio 2017

Preso último envolvido no homicídio que vitimou duas meninas em 2005 em Palmeira

Gostou, compartilhe

O último envolvido no duplo homicídio que chocou a cidade de Palmeira e também região em dezembro de 2005, pela crueldade do crime, quando duas meninas, Daiana Hartman Comin, de 14 anos, e Maria Helena dos Santos Cordeiro, 11 foram covardemente assassinadas por traficantes. Rauli Coelho Fonseca que estava foragido há praticamente 11 anos e meio, foi capturado em Palmeira.

A prisão aconteceu na madrugada do último domingo (14), por volta da 1h30, durante a realização da 9ª Expo Palmeira. Que segundo informações da Polícia Militar que vinha realizando trabalho de inteligência há algum tempo, a PM teria recebido uma denúncia que levou os policiais que faziam a segurança do evento até Rauli, que hoje tem 36 anos e tinha contra si um mandado de prisão em aberto. Ele foi localizado na festa, identificado e preso, sendo levado até a 40ª Delegacia Regional da Polícia Civil de Palmeira.

“O delegado da 40ª DRP, Plínio Gomes Filho, comentou que ele estava foragido desde a época do duplo homicídio e que já havia sido levantada a hipótese inclusive de que ele estivesse preso em São Paulo, o que não se confirmou. Já, em 2013 foi expedido um mandado judicial contra Rauli, que foi cumprido agora”. Rauli permanecerá preso, ficando a disposição do Poder Judiciário até ser julgado, possivelmente em Júri Popular como aconteceu com outros envolvidos no crime.

O crime

Segundo as investigações na época, elas foram usadas como mulas para entregar drogas, e não teriam entregado o dinheiro da venda ao traficante da área, que conforme a polícia era Mauro Cesar Mariano da Silva, o “Maurinho”. Ele começou a ser pressionado pelo “patrão da droga”, conhecido por “Paulista” – que atuava em Ponta Grossa – para resolver a pendência com as garotas. Caso contrário, seria penalizado com a morte. A solução encontrada pelo grupo envolvido no tráfico foi à execução das duas meninas.

Daiane e Maria Helena foram convencidas por Paulo Fernandes Machado e um adolescente de 16 anos a irem até um local no interior do município, para tomar banho em um tanque existente na região. Entretanto, segundo a delegada na época, os dois indivíduos foram pagos por “Maurinho” para atrair as garotas até o local da execução. Em uma plantação de pinus, a cova para enterrar as vítimas já estava pronta antes da chegada delas ao local.

As garotas foram estranguladas e posteriormente degoladas. A execução contou com a participação de “Pelezinho”, Rauli, Francisco Carvalho, o “Chiquinho do Bagre”, mas quem cortou o pescoço das vítimas teria sido “Maurinho”, conforme a investigação.